REUTERS/Mariana Bazo
REUTERS/Mariana Bazo

‘Chavismo não dá voto no Peru’

Peruanos aprendem que Bolívar, herói de Chávez, ‘foi terrível’ ao reduzir o país à metade para criar a Bolívia, diz professor da Unesp

CAROLINA ROSSETTI ,

11 Junho 2011 | 16h00

Antes de ser presidente do Peru e ganhar simpatizantes pelo combate ao grupo terrorista Sendero Luminoso; antes de ser preso por corrupção, evasão de divisas, genocídio e ter uma ideologia política batizada com seu sobrenome; antes de tudo isso, Alberto Kenya Fujimori dava aula de cálculo integral. "Numa reunião de ex-alunos em Lima concluímos que Fujimori, o professor, era igual ao presidente: sempre foi um cara mau, um sujeito ruim que adorava humilhar os alunos que tiravam nota baixa". A lembrança é do peruano Enrique Amayo Zevallos, ex-aluno de Fujimori na Universidade Nacional Agrária de La Molina e hoje professor de História Econômica e Estudos Internacionais Latino-americanos da Unesp.

 

Na entrevista a seguir, Amayo Zevallos comemora a derrota da herdeira do fujimorismo, fala do futuro político do Peru e diz que o afastamento de Ollanta Humala do projeto "falido" de Hugo Chávez não é artifício, mas realidade. Seu grande desafio será renegociar os convênios com as mineradoras, questão de grande apelo popular entre os setores da sociedade que foram decisivos para sua eleição. Para isso, a saída será um "governo de conciliação" nos moldes da Concertación chilena.

 

Conciliação

 

"Essa é a palavra mais importante para o governo de Humala. E soa muito como Concertación. O presidente eleito precisa se mirar no Chile, que teve seu mais glorioso momento - não é mais - quando forças progressistas fizeram um pacto para permitir a governabilidade. Humala sabe que metade do país queria Keiko e muitos peruanos só votaram nele para evitar o monstro do fujimorismo. Por isso, foi tão essencial o apoio do ex-presidente Alejandro Toledo, que permitirá a Humala ter maioria no Congresso, e do escritor Mario Vargas Llosa, que tem grande peso dentro e fora do país.

 

Opção ‘paz e amor’

 

"O primeiro tour pela América Latina ignora a Venezuela, o que já mostra uma opção de Humala pela moderação. Escolher o Brasil antes de qualquer outro país é também sinal da aliança com os petistas e reforça a imagem de "paz e amor" que emprestou de Lula. Temo, contudo, pelo pacote inteiro que vem com o PT e inclui práticas obscuras de financiamento de campanha, como as que resultaram no mensalão.

 

Chávez de escanteio

 

"Ninguém quer vincular sua imagem à de Hugo Chávez, que vive um momento impopular. Não é artifício de Humala dizer não ter mais vínculos íntimos com o venezuelano. O chavismo não dá voto no Peru. É um projeto ineficiente e falido. O bolivarianismo também não dá voto. Os peruanos aprendem na escola que Simon Bolívar foi terrível para a história do país, reduziu o território pela metade ao criar a Bolívia. Adotar o projeto chavista também implicaria romper com o acordo bilateral com os Estados Unidos. São acordos desses que explicam, em parte, o sucesso do Peru, que cresceu a taxas duas vezes maiores que o Brasil nos últimos cinco anos.

 

Medo e especulação

 

"O grande capital e a maioria da imprensa estão decepcionados porque apostaram todas as fichas na vitória do fujimorismo. Em seu projeto original, Humala falava em nacionalizar os bancos. Só depois fez um movimento para a centro-esquerda. Creio que não romperá com as regras do jogo, até porque não pode. Já vimos o que aconteceu na segunda, quando a bolsa de Lima teve uma queda histórica. Isso foi resultado de uma mistura de medo e gigantesca especulação sobre quem é Humala e como governará. Para manter o Peru no rumo do crescimento, ele terá que escolher alguém aberto ao mercado para administrar a economia. Mas terá que aliar o desenvolvimento à distribuição de renda para as camadas mais baixas, que foram excluídas da bonança dos últimos anos. É o que o país espera dele.

 

Mineradoras

 

"O Peru é rico em ouro, prata, cobre e zinco e as mineradoras do país estão entre as mais produtivas do mundo, mas retornam poucos recursos ao Estado. Não é preciso ser revolucionário para ver a necessidade de renegociar esses convênios. Algumas concessões para a exploração são da era Fujimori, quando o setor não tinha o sucesso de hoje. As mineradoras são ainda muito poluidoras. Territórios inteiros foram devastados e populações afetadas. Houve um número grande de abortos e crianças nascidas com defeitos físicos devido à contaminação por metais pesados dos lençóis freáticos. Por isso, o movimento dos afetados pela mineração é forte e apoiou Humala. Ele terá que honrar esse apoio.

 

Os Humalas

 

"Ollanta sempre teve um pé no mundo indígena e outro na Europa. O sobrenome Humala, do pai, é indígena, o primeiro nome também, mas Tasso, da mãe, é um nome de família aristocrata da Itália. Humalas sempre moraram na França e estudaram na Sorbonne. O pai de Ollanta, Isaac Humala Núñez, um comunista histórico e nacionalista indígena, instruiu os filhos sobre a importância da formação acadêmica. Não são, portanto, dirigentes políticos com níveis mínimos de educação. Os irmãos Ollanta e Antauro ingressaram na carreira militar porque essa era a única forma de chegar ao poder no Peru. (Antauro está preso até hoje por organizar um levante contra Toledo). Um terceiro irmão, Ulisses, é um acadêmico respeitado, que já foi candidato à presidência e briga publicamente com Ollanta, pedindo mais transparência do irmão quanto aos financiamento de campanha. É uma família peculiar, mas com gente inteligente que pode aconselhar Ollanta pela moderação sem esquecer o comprometimento com o social.

 

Os Fujimoris

 

"Fujimori é mau. Ele foi capaz de torturar a ex-mulher, Susana, quando ela denunciou as negociatas que ele fazia com o Japão. Ela sumiu por um tempo dentro daquele palácio de governo, foi torturada, depois reapareceu e foi diagnosticada como louca. Suas declarações não valiam mais nada. A filhinha, Keiko, virou primeira-dama e foi corrompida pelo pai. Ela nunca se pronunciou sobre a mãe. É disso que são capazes os Fujimoris.

 

Hotel de luxo

 

"Uma vitória de Keiko seria terrível não só para o Peru, mas para toda a América Latina, pois abriria uma janela de possibilidade para políticos com passados tão obscuros quanto o de Alberto Fujimori tentarem reconstruir suas carreiras. O maior interesse político de Keiko, se eleita, seria tirar o pai da prisão. Na prisão, Fujimori tem, entre outras regalias, um jardim de 10 mil m². Sua cela se transformou em centro para discussões políticas. É inacreditável. Humala sabe que terá que pôr panos quentes nessa história e fazer concessões. Talvez ele mande Fujimori para um lugar intermediário, que se pareça mais com uma penitenciária que com hotel de luxo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.