Chefe do JPMorgan pode substituir Geithner

Site de jornal divulgou substituição do secretário do Tesouro, mas elogio de Obama indica que ele continua no cargo

Dow Jones e Reuters, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2009 | 00h00

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que sua equipe financeira, incluindo o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, teve sucesso em estabilizar o sistema financeiro do país. "Nos primeiros vários meses da minha administração, por causa das medidas tomadas por pessoas como o secretário Geithner e o resto da equipe econômica, fomos capazes de estabilizar o sistema financeiro e assegurar que a economia não escorregaria para uma depressão", disse Obama em comentários feitos quando se reuniu com seu gabinete.

Os elogios de Obama a Geithner foram divulgados depois que o site do New York Post publicou que o executivo-chefe do JPMorgan, Jamie Dimon, poderia substituir Geithner, citando como fontes pessoas próximas à situação. Segundo o site, parlamentares começaram a mencionar Dimon como substituto para Geithner. Dimon "adoraria servir este país", afirmou uma das fontes ao New York Post. Dick Bove, da Rochdale Securities, teria dito que apoia Dimon para o cargo. O JPMorgan não quis comentar o assunto.

"Nossa economia está crescendo novamente pela primeira vez em mais de um ano", disse Obama. "Sabemos que o crescimento econômico é um pré-requisito para o crescimento do emprego", acrescentou. "Não podemos nos sentar e ficar satisfeitos considerando os níveis extraordinariamente altos de desemprego que temos visto. Apenas demos o primeiro passo no processo de cura de nossa economia e garantimos que esteja se movendo na trilha certa. Eu não vou descansar até que as empresas estejam investindo novamente, contratando novamente e as pessoas estejam trabalhando de novo."

A crescente frustração com a economia provocou uma forte discussão na quinta-feira, durante audiência no comitê econômico conjunto do Congresso. Vários parlamentares pediram a renúncia de Geithner, por causa de preocupações com o desemprego e com problemas em Wall Street. Os ataques vieram em boa parte dos republicanos da Câmara, que criticam o secretário há algum tempo.

Vários democratas defenderam o secretário dos ataques. No entanto, democratas mais liberais vêm se unindo ao coro, dizendo que as políticas econômicas da Casa Branca não têm feito muito para estimular o crescimento dos empregos.

Na audiência, Geithner trocou farpas com os republicanos, chegando até quase gritar. Pesquisa divulgada na sexta-feira revela que 42% dos americanos consideram o desempenho de Geithner "fraco" . A consulta, realizada pela Opinion Research Rasmussen Reports, mostrou que 20% classificam seu trabalho como "bom" ou "excelente", 16% não estão seguros para opinar e 22% disseram que o trabalho do secretário era "aceitável".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.