Cheia no Amazonas já atinge mais de 61 mil famílias

36 municípios estão situação de emergência; previsão é que as chuvas diminuam entre este e o próximo mês

RENATA MAGNENTI, Agência Estado

30 Abril 2012 | 15h42

No Amazonas, mais de 61 mil famílias já foram afetadas com a cheia dos rios e 36 municípios decretaram situação de emergência. A previsão é que as chuvas diminuam entre este e o próximo mês. O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) avalia a cheia de 2012 como "grande", mas que não deve bater o recorde histórico registrado em 2009. De acordo com a Defesa Civil do Estado, ao todo 61.820 famílias, localizadas em 36 municípios nas calhas dos rios Juruá, Madeira e Solimões, estão sofrendo com a cheia dos rios.

O Estado tem distribuído kits básicos de higiene pessoal, de limpeza, medicamentos, dormitório, filtros microbiológicos e hipoclorito de sódio. As ações do governo estão acontecendo desde fevereiro. Em uma nova ação, 25 municípios que decretaram situação de emergência receberão a ajuda humanitária, ao todo mais de 120 toneladas de kits deverão ser distribuídos. Na etapa seguinte, os demais municípios serão atendidos.

Na primeira etapa de auxílio financeiro, o Estado reverteu R$ 850 mil, sendo R$ 100 mil para cada um dos sete municípios do Juruá (Envira, Eirunepé, Guajará, Ipixuna, Carauari, Itamarati, Juruá) e R$ 150 mil para Boca do Acre, no Purus.

Além disso, as famílias desses municípios, um total de 11.180, já receberam o cartão Amazonas Solidário no valor de R$ 400. Outras 6.164 famílias, que moram nos municípios de Lábrea, Puiní, Canutama e Tapauá receberão o cartão Amazonas Solidário. O governo Federal repassou ao Estado um total de R$ 105,5 milhões para auxiliar os afetados pela cheia.

Balanço da situação

O superintendente regional do CPRM em Manaus, Marco Antonio de Oliveira, informou que hoje a preocupação maior é quanto à calha do Solimões, que vai do município de Tabatinga até Parintins. "No Solimões, nos afluentes e no rio Negro a previsão ainda é de subida do nível dos rios para este mês. O Negro só deve parar de subir em junho".

Anualmente, o Estado é afetado com a cheia e a seca. Os ribeirinhos estão acostumados com o fenômeno e a orientação da CPRM é quanto às mudanças que deverão fazer em relação ao ambiente que vivem. A orientação deste ano, segundo Oliveira, foi a de que os ribeirinhos devem subir um metro o assoalho de suas casas tendo como base a marca da cheia do ano passado.

Mais conteúdo sobre:
cheiaAmazonas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.