Cheias no Amazonas afetam 36 municípios

Pelo menos 61,8 mil famílias do Amazonas foram afetadas com cheias dos Rios Juruá, Madeira e Solimões e 36 municípios do Estado decretaram situação de emergência. A previsão é de que as chuvas diminuam entre este e o próximo mês. O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) avalia a cheia de 2012 como "grande", mas diz que ela não deve bater o recorde de 2009.

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2012 | 03h05

Desde fevereiro, o Estado tem providenciado kits básicos de higiene pessoal e de limpeza, medicamentos, dormitórios, filtros microbiológicos e hipoclorito de sódio. Em uma nova ação, 25 municípios que decretaram situação de emergência receberão a ajuda humanitária - mais de 120 toneladas de kits devem ser distribuídos. Na etapa seguinte, os demais municípios serão atendidos.

Na primeira etapa de auxílio financeiro, o Estado reverteu R$ 850 mil, sendo R$ 100 mil para cada um dos sete municípios do Juruá (Envira, Eirunepé, Guajará, Ipixuna, Carauari, Itamarati, Juruá) e R$ 150 mil para Boca do Acre, no Purus. Além disso, as famílias desses municípios, um total de 11.180, receberam o cartão Amazonas Solidário no valor de R$ 400. Outras 6.164 famílias, que moram nos municípios de Lábra, Puiní, Canutama e Tapauá, também receberão o cartão. O governo federal repassou ao Estado R$ 105,5 milhões para auxiliar os afetados pela cheia.

O superintendente regional do CPRM em Manaus, Marco Antonio de Oliveira, informou que a preocupação maior é com a calha do Solimões, que vai do município de Tabatinga até Parintins. "No Solimões, afluentes e no Rio Negro a previsão ainda é de subida do nível neste mês. O Negro só deve parar de subir em junho", afirmou.

O Estado é afetado todos os anos com períodos de cheia e de seca. A orientação deste ano, segundo Oliveira, foi a de que os ribeirinhos devem subir em 1 metro o assoalho de suas casas, tendo como base a marca da cheia do ano passado.

Em 2009, o Negro subiu 29,77 metros. Ontem, o rio que banha parte de Manaus registrou 29,20 metros. Na semana passada, em Manaus, o nível do rio subiu 6 centímetros por dia.

No final de semana, a subida diária do nível do Negro caiu pela metade e foram registradas subidas de 3 centímetros ao dia. O especialista do CPRM afirmou que a cheia do rio deve decrescer continuamente até junho. Isso será resultado de menos ocorrência de chuva na região. / RENATA MAGNENTI, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.