Chelsea oferece contraponto 'light' a Hillary

Cabo eleitoral da mãe, ela exibe conhecimento em campanha sem ser maçante.

Bruno Garcez, BBC

21 de abril de 2008 | 05h55

A oradora que sobe ao palco demonstra um conhecimento aprofundado do programa de governo de Hillary Clinton, faz críticas contundentes ao presidente George W. Bush e demonstra empatia com os eleitores e com os temas que os afligem. Dada a reação do público e as disputas para tirar uma foto ao seu lado, parece até que Chelsea Clinton, de 28 anos, está concorrendo a algum cargo. Mas ela se diz nada mais do que uma cabo-eleitoral de sua mãe.Ela demonstra a mesma capacidade desfrutada por Hillary de esmiuçar temas por vezes complexos, mas é menos afeita a detalhes do que a mãe, que muitas vezes envereda por longas e algo enfadonhas explanações.Quando indagada se pretende exercer alguma função em um possível novo governo Clinton, Chelsea não titubeia: ''Não, eu tenho uma vida pessoal em Nova York. Tenho um cachorro, um apartamento e um namorado''."Melhor que o pai"O carinho de Chelsea pela mãe é tamanho que ela afirma: ''Acho que minha mãe seria uma presidente melhor do que meu pai, porque ela é mais preparada, soube trabalhar com a oposição no Congresso, e é uma lutadora. E o que precisamos agora, é de uma lutadora''.O comentário arranca aplausos dos presentes a um pequeno auditório da sede local da Associação Cristã de Moços. A platéia é formada predominantemente por membros da comunidade asiática que solicitaram o encontro e que apóiam Hillary Clinton. A participação de Chelsea no evento se deu após exibições de danças tradicionais do Camboja e de uma canção típica de Bangladesh, interpretadas por grupos de crianças.Chelsea subiu ao palco pouco depois, agradeceu aos organizadores, fez uma rápida introdução e respondeu às perguntas dos presentes, um formato com o qual ela já está acostumada, pois tem feito o mesmo em inúmeras paradas da corrida eleitoral, em especial em colégios e universidades.Pergunta polêmicaNo mês passado, pela primeira vez ela chegou perto de perder a linha, quando respondeu a uma pergunta de um estudante de uma universidade de Indiana se a credibilidade de sua mãe havia sido arranhada pelo escândalo Monica Lewinsky. Na ocasião, Chelsea afirmou: ''Uau, você foi a primeira pessoa a me fazer essa pergunta nos, talvez, 70 campus universitários em que já estive, e não acho que isso seja de sua conta''. A platéia local manifestou apoio à sua reação, batendo palmas. Na Associação Cristã de Moços de Lansdowne, Chelsea não enfrenta tais interpelações de uma platéia formada, predominantemente, por simpatizantes de sua mãe. Quando o tema é algo como combater a obesidade infantil, a filha do casal Clinton afirma que é preciso atacar em duas frentes, lembrando que sua mãe pretende eliminar a fome infantil até 2012 e dar financiamento para um programa que destinará café da manhã gratuito para alunos de escolas e almoço para jovens que contam com poucos recursos financeiros.Crítica a BushSobre pesquisas de células-tronco, Chelsea afirma: ''Minha mãe votou pelo projeto e ele foi aprovado em um acordo bipartidário, mas o presidente Bush o vetou, dentro da guerra que ele vem travando contra a ciência''.O suposto confronto entre o líder americano e a pesquisa científica é um tema recorrente em comícios de Hillary Clinton. Quando uma das presentes, uma música, indaga o que Hillary fará em prol da educação pública, Chelsea lista planos de sua mãe para a área e inclui a sua própria experiência pessoal.A jovem afirma ser constrangedor que os estudantes americanos ocupem a 27ª representação em matemática e ciência, ainda mais lembrando que ela própria já foi uma professora de 4ª série. Ela também frisa a necessidade de financiar programas artísticos em escolas, algo que diz conhecer bem, pois fez balé por 15 anos. Não à imprensaChelsea não é candidata a nada, como ela própria frisa, mas seu carisma, sua espontaneidade e seu talento oratório fazem crer que uma trajetória política pode estar por vir.Mas não foi possível confirmar essa tese com a própria Chelsea. Um dos fatos mais marcantes de Chelsea Clinton é que ela se recusa terminantemente a dar entrevistas e a responder quaisquer perguntas de jornalistas.Uma das repórteres que já foi dispensada por Chelsea, no passado, foi uma menina de 9 anos, que queria uma entrevista para seu jornalzinho escolar. A filha do casal Clinton disse que não falava com a mídia e que isso também se aplicava à repórter-mirim. Mas como Chelsea acrescentou também que a mocinha era ''muito bonitinha'', ela concordou em tirar uma foto com a jovem, que deu uma entrevista à rede CNN, na qual se disse feliz por ter sido tratada como toda a imprensa de verdade. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.