Chile evacua área afetada por erupção de vulcão

Cinzas e fumaça lançadas pelo Chaitén desde sexta-feira já chegam à Argentina.

Da BBC Brasil, BBC

07 de maio de 2008 | 03h05

Autoridades do sul do Chile determinaram a evacuação total da área em torno do vulcão Chaitén e colocaram a região em alerta máximo.Depois de pelo menos 450 anos adormecido, o vulcão entrou em atividade na última sexta-feira, expelindo cinzas e gases e tomando de surpresa os moradores da região e as autoridades.Mais de 4 mil pessoas já foram retiradas da cidade de Chaitén, que fica a apenas 10 quilômetros do vulcão, na região da Patagônia.Na segunda-feira, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, supervisionou a evacuação voluntária de Futaleufú, cidade de cerca de 1,8 mil habitantes localizada a aproximadamente 80 quilômetros do vulcão."A evacuação é necessária devido aos altos índices de contaminação", disse Bachelet.A presidente, que no dia anterior havia visitado a cidade de Chaitén, viajou à região acompanhada dos ministros de Obras Públicas, Defesa, Agricultura, Saúde e Educação.Restam na área apenas alguns poucos moradores, equipes de emergência e jornalistas.Alguns moradores de Chaitén cruzaram a fronteira com a Argentina. Outros foram levados para a ilha de Chiloé e para a cidade de Puerto Montt, no sul do Chile.ArgentinaA incessante chuva de cinzas lançada pelo Chaitén provocou a contaminação do ar e da água em um raio de vários quilômetros ao redor do vulcão.As cinzas do vulcão também afetaram cidades na província de Chubut, na Argentina, onde foram fechadas escolas, aeroportos e algumas estradas.O governador da província argentina, Mario das Neves, anunciou o envio de 12 mil litros de água mineral e de caminhões-tanque com água potável para as cidades atingidas pelas cinzas.As autoridades chilenas acreditam que, apesar da evacuação, os efeitos da atividade do vulcão serão sentidos na pecuária e na agricultura da região."Não sabemos o que vai acontecer com o vulcão. Não sabemos se pode continuar lançando cinza, não sabemos se pode aparecer lava", disse Bachelet.O ministro do Interior chileno, Edmundo Pérez Yoma, disse que "não existe um registro histórico sobre este vulcão e, por isso, não é possível saber se a emissão de cinzas vai se manter por semanas ou meses".O Chile tem a segunda maior e mais ativa cadeia vulcânica do mundo, atrás apenas da Indonésia. Calcula-se que 500 dos cerca de 2 mil vulcões chilenos sejam potencialmente ativos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
chilevulcãochaitén

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.