Chile pede políticas conjuntas do Mercosul contra a mudança climática

A presidente Michelle Bachelet insistiu que os países do Mercosul ´tenham papel´ maior no tema

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 09h19

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, destacou, na 33ª cúpula de chefes de Estado do Mercosul e países associados, a necessidade de empreender políticas conjuntas para combater as mudanças climáticas. Em seu discurso na plenária da cúpula, que acontece em Assunção, Bachelet disse que o assunto, embora "parecesse sofisticado, não é um tema de amanhã, mas de hoje". "Há áreas de nosso país que estão com fortes problemas de (camada de) ozônio, e disso uma grande quantidade de impactos à saúde, com câncer e outras patologias", disse a presidente chilena, que reiterou o compromisso de "continuar aperfeiçoando a participação de seu país" no bloco, do qual é membro associado. Bachelet insistiu na necessidade de que os países do Mercosul "tenham papel" mais importante no tema, e sustentou que "a mudança climática requer cooperação", ao lembrar que os compromissos incluídos no Protocolo de Kyoto vencem em 2012. "A nova evidência científica nos indica que devemos introduzir mudanças em nossas condutas", disse Bachelet, ao defender uma "economia de produção limpa". Sobre o assunto, afirmou que há um "enorme desafio" para "expandir e coordenar mecanismos do mercado do carvão" e, neste ponto, disse que "exige de todos desenvolver um reflorestamento sustentável".

Mais conteúdo sobre:
bachelet mudança climática mercosul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.