Chile pode ser primeiro alvo internacional do ITAÚ UNIBANCO

O Chile pode ser o primeiro alvo do plano de internacionalização do Itaú Unibanco, que não descarta fincar bandeira em outras regiões além da América Latina. "O Chile é um país onde pensamos em ampliar nossa presença", disse em teleconferência com analistas o presidente-executivo do grupo, Roberto Setubal, lembrando que o Itaú já tem unidades no país. Outros destinos já vistos com maior atenção dentre os países vizinhos são Colômbia, Peru e México. Apesar da ênfase na América Latina, o executivo não descartou ir atrás de mercados em outras regiões. "Tem a possibilidade de fazer incursões em outros países na área de cartão de crédito", afirmou. O presidente do conselho de administração do grupo, Pedro Moreira Salles, reafirmou que o anúncio da fusão, feito na segunda-feira, foi fruto de um processo de negociação de 15 meses e que tinha como principal objetivo formar uma instituição com escala global. "Acho estranho até hoje não ter nascido nenhuma multinacional brasileira da área financeira", disse. CRÉDITO O conglomerado espera expandir a carteira de crédito de 15 a 20 por cento em 2009, diante de uma perspectiva de expansão de 3 por cento do Produto Interno Bruto do Brasil no período. "Isso pode variar, dependendo do que acontecer na economia internacional. Mas o Brasil deve ter um crescimento superior ao da maioria dos países desenvolvidos", disse Setubal. As ações do Itaú disparavam 7,8 por cento, a 29,22 reais, às 14h25, enquanto as units do Unibanco saltavam 8,3 por cento, cotadas a 16,21 reais. No mesmo horário, o Ibovespa apresentava valorização de 5,54 por cento. (Por Aluísio Alves)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.