China aprova maior presença do Wal-Mart em e-commerce

O Wal-Mart conseguiu aprovação com restrições para aumentar a participação e se tornar o acionista majoritário de uma companhia chinesa de e-commerce, informou o Ministério do Comércio chinês.

Reuters

14 de agosto de 2012 | 12h03

A China, onde mais de 200 milhões de pessoas fazem compras pela Internet, deve se tornar o maior mercado de e-commerce do mundo até 2015, de acordo com estudo da Boston Consulting Group.

O Wal-Mart tinha anunciado em fevereiro que aumentaria a participação no Yihaodian para cerca de 51 por cento comprando a controladora do supermercado online. A companhia dos Estados Unidos não deu nenhum detalhe sobre o acordo.

A aquisição passou por uma longa análise antimonopólio e finalmente teve aprovação, embora com restrições, já que o Ministério do Comércio concluiu que poderia ter impacto negativo sobre a concorrência por causa da posição de liderança do Wal-Mart e do Yihaodian no mercado.

Como exemplo das restrições, o Yihaodian terá que usar a atual plataforma de e-commerce para vendas, a controladora do supermercado online não poderá hospedar operações de outras companhias e o Wal-Mart não poderá recorrer à estrutura conhecida como VIE para operar serviços de telecomunicação que o Yihaodian atualmente oferece.

A estrutura VIE é uma tática que investidores não chineses comumente recorrem para driblar a restrição à propriedade estrangeira em certos setores na China.

Companhias não chinesas desde o fim da década de 1990 recorrem à VIE para ter controles financeiro e operacional sobre companhias chinesas por meio de uma série de acordos, em vez de comprar ações.

Tudo o que sabemos sobre:
CONSUMOWALMARTCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.