China atrai firmas de tecnologia dos EUA apesar de forte controle do Estado

O enorme tamanho do mercado chinês é tão atrativo para companhias ocidentais que até mesmo empresas pró-liberdade da Internet como a CloudFlare podem precisar deixar a ideia de revolta moral de lado na busca por novos negócios.

REUTERS

12 Setembro 2014 | 12h40

A CloudFlare, sediada em San Francisco, tem uma política de oferecer serviços de defesa eletrônica para todos, com base em um credo de que a Internet deve ser livre, descentralizada e aberta.

Seus clientes tem incluído grupos que o governo norte-americano considera como organizações terroristas. Estes valores podem ter de ser deixados de lado quando se trata de entrar na China, onde o controle estatal da Internet está entre os mais duros do mundo.

A CloudFlare está buscando uma parceira chinesa e visa estar no país até 2015, disse a co-fundadora Michelle Zatlyn nos bastidores de uma reunião do Fórum Econômico Mundial em Tianjin nesta semana.

"Conforme pensamos sobre expansão internacional é vital conseguir a China", disse Michelle sobre o segundo maior mercado da CloudFlare em tráfego de usuários. "Existem regras e regulações que funcionam dentro do país. Como uma companhia norte-americana nós absolutamente temos de seguir estas, e estamos de acordo com isso".

A CloudFlare está se juntando a uma longa lista de companhias, de firmas que viram pouco ou nenhum sucesso na China como Yahoo, eBay, Google e Facebook até ingressantes recentes como o LinkedIn, para o qual a atração da China como o maior mercado de Internet do mundo foi muito forte para resistir.

(Por Paul Carsten)

Mais conteúdo sobre:
TECHCHINACONTROLEESTATAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.