China condena criador do vírus Panda a quatro anos de prisão

Outros três acusados também foram condenados a penas menores por colaborar na criação

Efe,

25 de setembro de 2007 | 01h58

O criador de um vírus de informática que afetou milhões de computadores na China foi condenado a quatro anos de prisão, segundo informou nesta terça-feira, 25, o jornal oficial China Daily. Outros três acusados também foram condenados a penas de um ano a dois anos e meio de prisão, por colaborar na criação do vírus, considerado o pior de 2006 na China pela empresa de segurança em informática Rising. Li Jun, de 25 anos, já tinha admitido ser o autor do vírus "Bastão de Incenso do Panda", divulgado pela internet entre novembro de 2006 e março de 2007. Ele mesmo criou um antivírus, após ser detido, em fevereiro. Segundo a polícia, os quatro condenados ganharam o equivalente a US$ 27 mil vendendo o vírus. Foi o primeiro caso no país em que alguém ganhou dinheiro com a venda de um vírus de informática. Além de fazer aparecer a imagem de um panda gigante com três bastões de incenso na tela, o vírus criado por Li pode roubar nomes, números de contas e senhas de jogos online e chats. Segundo a companhia Rising, cerca de 100 mutações do "Bastão de Incenso do Panda" ainda circulam pela internet, tanto na versão chinesa do Windows quanto na inglesa. Apesar da condenação, o advogado de Li Jun, Wang Wanxiong, disse que algumas companhias de internet tentaram contratar o jovem, chegando a oferecer mais de US$ 133 mil por ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinavírus Pandacondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.