China confirma que primeira morte por gripe aviária foi em 2003

O Ministério da Saúde da China confirmou nesta terça-feira que um militar de Pequim morreu em 2003, infectado pelo vírus da gripe aviária, dois anos antes de o governo reconhecer "oficialmente" o primeiro caso da doença em seres humanos.Segundo a agência estatal Xinhua, após a realização de exames de laboratório em cooperação com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério confirmou que o soldado morreu em novembro de 2003. Portanto, o atual foco não se originou na Coréia do Sul, e sim na China.O caso foi revelado num artigo publicado no New England Journal of Medicine, no dia 20 de junho, por oito cientistas chineses que passaram dois anos trabalhando com as amostras do soldado.Até agora, os cientistas acreditavam que o militar tinha morrido de Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), que teve um surto em 2003. Após a publicação do artigo, o governo chinês manteve silêncio durante um mês. A conseqüência foi sofrer críticas internacionais, levantando novas suspeitas sobre sua transparência. A OMS exigiu o esclarecimento do caso.As teorias aceitas até a confirmação do caso sustentavam que o vírus H5N1 havia passado de aves sul-coreanas para o Vietnã, onde, no fim de 2003 e início de 2004, foram registrados os primeiros casos oficiais de gripe aviária em humanos.No entanto, havia também suspeitas de que a doença não saiu da Coréia do Sul, muito distante do Vietnã, e sim da China, que também foi a origem do Sars e de surtos mais benignos de gripe aviária na década de 90.Pequim informou oficialmente seu primeiro caso de gripe aviária em novembro de 2005. Até o momento, confirmou um total de 19 casos e 12 mortes (sem contar a de 2003). Segundo dados da OMS, 233 pessoas contraíram a gripe aviária no mundo todo desde o 2003, com 135 mortes no Azerbaijão, Camboja, China, Djibuti, Egito, Indonésia, Iraque, Tailândia, Turquia e Vietnã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.