China deve abolir lei que proíbe entrada de portadores do HIV

PEQUIM

Efe, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2010 | 00h00

A China pode seguir o exemplo dos Estados Unidos e abolir a lei que proíbe a entrada de portadores do vírus HIV, causador da aids, no país. A informação, atribuída a fontes do governo federal, foi publicada no jornal oficial China Daily.

Segundo o diário, a liberação deve ocorrer antes do dia 1.º de maio, quando ocorre a abertura da Exposição Universal de Xangai, que aguarda cerca de 4 milhões de visitantes estrangeiros. A decisão foi tomada após uma reunião do Conselho de Estado realizada na segunda-feira.

O subdiretor do Escritório de Controle de Enfermidades do Ministério da Saúde, Hao Yang, já havia afirmado, no mês passado, que a proibição da entrada de estrangeiros soropositivos era uma medida "desnecessária" e que a lei seria revogada em breve. Essa afirmação foi feita dois dias após o governo ter negado um visto de entrada ao escritor australiano Robert Dessaix, portador do HIV, que participaria do Festival Internacional de Literatura de Xangai.

A proibição foi imposta nos anos 1980, quando o governo chinês considerava a aids como um "mal estrangeiro", enquanto dezenas de milhares de chineses eram contaminados por causa do comércio de sangue, feito sem controle. O número oficial de soropositivos no país é de 740 mil, mas a cifra real deve ser bem maior. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.