China executa ex-chefe de controle de medicamentos

Zheng Xiaoyu, 62 anos, foi condenado por aceitar suborno para liberar produtos, diz a imprensa estatal

Chris Buckley e Ben Blanchard, da Reuters

10 Julho 2007 | 14h32

A China executou nesta terça-feira, 10, um ex-chefe da área de controle de remédios e alimentos, condenado por corrupção. A pena de morte tem por objetivo servir como aviso, em meio a uma série de escândalos surgidos na área da saúde e responsáveis por manchar a imagem do selo "made in China". A Corte Suprema do Povo confirmou a pena de morte para Zheng Xiaoyu, 62, condenado por aceitar subornos no valor de 6,5 milhões de yuans (US$ 850 mil, R$ 1,6 milhão) de oito empresas e por não cumprir seus deveres, afirmou a agência de notícias Xinhua. Os investigadores descobriram que Zheng e subordinados haviam distorcido novas regras sobre a concessão de licença para a produção de remédios, a fim de extorquir dinheiro de empresas. O esquema levou à aprovação de vários medicamentos que nunca deveriam ter sido produzidos ou que deveriam ter sido retirados do mercado, incluindo seis remédios falsos, afirmou a Justiça. A execução de Xiaoyu foi a primeira realizada na China, desde 2000, envolvendo uma autoridade assim importante. "A grave irresponsabilidade de Zheng Xiaoyu ao verificar a segurança dos produtos farmacêuticos e o fato de não ter, voluntariamente, realizado seus deveres prejudicaram os interesses do Estado e do povo", afirmou a corte, segundo a Xinhua. "O impacto social (dos crimes dele) acabou por se revelar enormemente maléfico", disseram os juízes, acrescentando que a confissão de Zheng e a devolução do dinheiro pago como suborno não haviam sido suficientes para justificar qualquer tipo de clemência. Zheng, chefe do órgão responsável por controlar a qualidade dos alimentos e remédios da China entre 1998 e 2005, foi condenado no dia 29 de maio e a apelação dele, julgada no mês passado. A pena dura e seu pronto cumprimento refletem as pressões sobre o governo chinês feitas dentro e fora do país devido à falta de qualidade de seus produtos. Recentemente, houve vários problemas envolvendo toxinas presentes em alimentos, remédios e outras mercadorias da China.

Mais conteúdo sobre:
china remédios contaminados execução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.