China oferece intercâmbio científico a países mais pobres

A China compartilhará seus conhecimentos técnicos e científicos com outros países em desenvolvimento, entre eles os da América Latina, segundo a Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS), citada nesta quarta-feira, 21, pela imprensa oficial chinesa."Antes, a ajuda da China a países em desenvolvimento se concentrava na construção de infra-estruturas e na assistência médica. Mas aumentar sua capacidade científica e tecnológica pode trazer maiores benefícios a longo prazo", disse Lu Yongxiang, presidente da CASS.A China, acrescentou, se encontra hoje em condições de proporcionar apoio científico a outros países. A CASS concederá bolsas de estudos a jovens cientistas de países em desenvolvimento para pesquisas na China. Também vai oferecer cursos de doutorado e enviar estudantes chineses ao exterior para ajudar a desenvolver programas.A China recentemente enviou pesquisadores à Venezuela para analisar a prevenção de deslizamentos de terra. Também coopera com a construção de um parque botânico no Camboja e ajuda cientistas da Mongólia e Cazaquistão em estudos geológicos.No entanto, Lu reconheceu que os principais intercâmbios da academia em ciência e tecnologia são com nações desenvolvidas, como os Estados Unidos, os países da União Européia, Rússia e Japão, porque a China "ainda está se atualizando com os avanços científicos do mundo".Em 2005 e 2006, a CASS recebeu do governo 400 milhões de iuanes (US$ 52 milhões) para programas de cooperação científica internacional.

Agencia Estado,

21 de março de 2007 | 16h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.