China pode passar de exportador a importador de terras-raras

A China, o maior produtor mundial de terras-raras, poderá se tornar um importador desses ingredientes vitais para a indústria ainda em 2014, com o consumo de produtos alta tecnologia crescendo.

DAVID STANWAY, Reuters

11 de julho de 2012 | 16h14

O país asiático diz que está cortando exportações para corrigir um dano ambiental de décadas, mas também destaca que preferiria ser o maior consumidor dos metais em vez de o maior produtor.

O apetite da China está crescendo rápido com o país procurando manter seu domínio sobre o grupo de 17 elementos utilizados em novas tecnologias, como smartphones e carros híbridos.

Um esforço acertado para construir toda uma cadeia industrial do material de terras-raras significa que a China, que produz mais de 90 por cento das reservas mundiais de terras-raras, é agora consumidora de 65 por cento da produção, ante um percentual de 25 por cento de uma década atrás.

"Em 2014 ou 2015, a China provavelmente vai estar em uma situação líquida de importação para determinadas terras-raras", disse o diretor-executivo da Molycorp, que este ano adquiriu a companhia baseada na China Neo Material Technologies.

O United States Geological Survey diz que a China tem cerca de metade das reservas mundiais de terras-raras, com 55 milhões de toneladas, enquanto a Rússia possui 19 milhões de toneladas e os Estados Unidos, 13 milhões de toneladas. A China diz que o número já chega a um quarto e que produzir 90 por cento das necessidades mundiais é insustentável.

O consumo interno vai crescer pelo menos 10 por cento ao ano nos próximos anos, disse Li Zhong, vice-presidente da maior mineradora da China, Baotou Rare Earth.

As políticas de Pequim já elevaram os preços, para persuadir países como os Estados Unidos, Canadá e Índia, a retomar a produção depois de fechamento de minas décadas atrás.

O Brasil também retomou a produção de terras-raras, com algumas empresas como a Vale avançando em pesquisas e a CBMM iniciando a produção.

Tudo o que sabemos sobre:
MIERACAOCHINATERRASRARAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.