China tenta preservar tradição musical milenar

Número de pessoas que toca a cítara guqin hoje é menor que o número de anos que ele existe.

BBC Brasil, BBC

05 de outubro de 2011 | 05h12

Um grupo de artesãos e entusiastas tenta manter viva uma tradição musical chinesa de mais de três mil anos.

O instrumento guqin, uma cítara de sete cordas de cerca de 1,5 m de comprimento, hoje é tocado por apenas 2 mil pessoas, segundo estimativas.

Mas, na cidade de Yangzhou, luthiers ainda fabricam o instrumento que foi tocado, entre outros, pelo sábio chinês Confúcio

Um guqin leva cerca de seis meses para ficar pronto.

O processo é lento porque cada detalhe faz diferença no som: da escolha da madeira à maestria do luthier, passando pela pintura do instrumento.

O que praticamente inviabiliza a produção em massa.

Na China antiga, tocar gu chin era considerado uma das quatro artes fundamentais para os sábios, ao lado da caligrafia, pintura e uma antiga versão do jogo de xadrez.

Mas hoje em dia, a popularidade do instrumento caiu. Há poucas escolas em que se pode estudar gu chin.

Embora o instrumento tenha sido reconhecido pela Unesco como Obra Prima da Herança Oral e Intangível da Humanidade, é difícil para músicos encontrarem trabalho. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
músicaculturageralguqin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.