China vai vender licenças para caçar animais em risco de extinção

Turistas estrangeiros poderão caçar iaques, lobos e outros animais em risco de extinção após o leilão de licenças de caça que será promovido pelo governo chinês no próximo domingo, informou nesta quarta-feira o jornal Beijing Youth Daily.As licenças de caça vão ser emitidas de acordo com o tipo e a população dos animais, incluindo espécies protegidas dos níveis 1 e 2, as que correm maior risco de desaparecimento. Os preços vão desde US$ 40 mil para matar um iaque, a US$ 200 por um lobo, segundo o jornal.O leilão em Chengdu, capital da província central de Sichuan, será o primeiro deste tipo organizado pela Administração Nacional de Florestas. As licenças deverão valer para as regiões autônomas de Ningxia e Xinjiang e as províncias de Qinghai, Shaanxi e Gansu.Um encarregado do Departamento de Proteção de Animais Selvagens, que preferiu o anonimato, disse que "a caça autorizada não vai prejudicar as populações de animais, já que serão estabelecidas cotas"."Em algumas regiões do oeste, devido ao aumento dos esforços de proteção, o número de animais selvagens aumentou muito, apresentando problemas, por isso a caça pode ajustar a quantidade de cada espécie", argumentou o funcionário.A parte lucrativa do negócio não passou despercebida para o governo, já que "o dinheiro pode ser usado para a proteção dos animais", disse a fonte, acrescentando que "é melhor vender o direito de caça que permitir os caçadores ilegais".Só os estrangeiros poderão comprar licenças de caça, já que Pequim exerce um rígido controle sobre as armas de fogo. A caça de animais selvagens não é permitida aos cidadãos chineses, segundo o jornal.

Agencia Estado,

09 de agosto de 2006 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.