Chinês mata parente de técnico de vôlei dos EUA e se suicida

Segundo autoridades, agressor se jogou do segundo andar do monumento Torre do Tambor, em Pequim

Da BBC Brasil, BBC

09 de agosto de 2008 | 07h12

Um familiar de um integrante da comissão técnica da equipe masculina americana de vôlei foi morto no centro de Pequim neste sábado, 9, pelo chinês Tang Yongming, de 47 anos. Segundo as autoridades do país, o homem feriu outra turista - que também seria parente do técnico - e o seu guia turístico chinês, enquanto eles visitavam a Torre do Tambor. O homem morto era um cidadão norte-americano, e a vítima ferida, uma mulher também dos EUA, informou a polícia de Pequim em nota oficial.   Veja também:  Para Interpol, chinês que matou americano não é terrorista   "Enquanto estavam na Torre do Tambor, no centro de Pequim, os dois integrantes da família foram esfaqueados durante um ataque que autoridades locais indicaram ter sido um único assaltante. Um dos membros da família morreu e o outro está gravemente ferido", diz o comunicado.   Segundo as autoridades, o agressor cometeu suicídio se jogando do segundo andar do monumento e o motivo da agressão não foi divulgado. O ataque aconteceu por volta das 12h20 (1h20 de Brasília) do sábado, que é o primeiro dia de competição dos Jogos Olímpicos.   Em comunicado, o comitê olímpico dos Estados Unidos lamentou o incidente. "Nossa prioridade atual é atender às necessidades dos parentes do profissional da equipe masculina de vôlei e da delegação americana inteira", conclui o texto do o comitê olímpico dos EUA.   "Por respeito às vítimas e as suas famílias, não daremos mais informações. A embaixada americana está cooperando ativamente com as autoridades chinesas para resolver este crime o mais rapidamente possível", declarou.O correspondente da BBC em Pequim Quentin Sommerville disse que esse tipo de crime à luz do dia é muito raro na China, especialmente contra estrangeiros, já que o país tem um baixo índice de criminalidade. A China está com um forte esquema de segurança para receber os mais de 450 mil turistas esperados para os Jogos. Mais de 150 mil policiais fazem a segurança nas ruas.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.   (com agências internacionais)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.