Chinesa é condenada por acusar pai de adultério na internet

Uma chinesa que lançou um website para expor o suposto adultério de seu pai foi considerada culpada de difamação, de acordo com os meios de comunicação locais. A universitária Wang Jing foi colocada em liberdade condicional por dois anos por um tribunal na Província de Shandong. Ela estaria apelando da sentença. A mídia chinesa acompanhou o caso com atenção desde que o website foi lançado, no ano passado. Wang Jing acusou seu pai de manter secretamente Li Cuilian como amante no mesmo conjunto residencial onde ele mora. Em seu website, ela deu detalhes do cotidiano de uma família, que ela diz ter sido perturbado "por um pai libertino". O advogado de Li disse que Wang fez alegações maliciosas sem nenhuma prova. Com as acusações, as atenções da mídia se voltaram para Li, o que a deixou traumatizada e abalou sua reputação, disse o advogado. Wang alegou ter evidências indiretas do caso amoroso, e disse que se concentrou em seus sentimentos sobre a separação dos pais. O tribunal ordenou que Wang retire todas as declarações difamatórias de seu website.

Agencia Estado,

09 Fevereiro 2007 | 01h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.