Chipre fecha acordo com UE e FMI; resgate ao país começa em maio

O Chipre, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional fecharam um acordo sobre um novo plano para resolver o problema no sistema bancário da ilha e financiar um resgate ao país, disse uma autoridade da UE na madrugada desta segunda-feira.

Reuters

25 de março de 2013 | 07h24

O acordo envolve a criação de um "banco bom" e um "banco podre", e significa que o Banco Popular de Chipre, conhecido como Laiki, será efetivamente fechado.

Depósitos abaixo de 100 mil euros no Laiki serão transferidos para o Banco de Chipre. Depósitos com mais de 100 mil euros, que segundo a lei da UE não são segurados, serão congelados e usados para a dívida.

Klaus Regling, chefe do fundo de resgate da zona do euro, o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (ESM, na sigla em inglês), disse que o Chipre vai receber a primeira parcela do pacote de ajuda internacional de 10 bilhões de euros no início de maio.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Tudo o que sabemos sobre:
CHIPREACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.