Chips da próxima geração logo estarão no mercado, diz AMD

A fabricante de hardware AMD fez testes com chips que utilizam técnicas de próxima geração e está dentro do cronograma para o lançamento desses produtos no segundo trimestre de 2008, informou o novo responsável pela área de manufatura da companhia. A AMD, segunda maior fabricante de processadores do mundo, atrás apenas da Intel, também informou que conseguirá atingir nos próximos meses um importante marco quando a produção de chips com técnicas avançadas superar a produção de processadores que usam métodos mais antigos. Douglas Grose - que foi indicado vice-presidente sênior de desenvolvimento de tecnologia, produção e cadeia de suprimentos da empresa - fez os comentários em meio a uma crescente atenção sobre as linhas futuras de produtos da AMD e da Intel à luz de um recente avanço na tecnologia, que permitirá a fabricação de chips menores e mais rápidos. Grose ingressou na AMD no ano passado após passar pela IBM. Ele substituiu Daryl Ostrander, que se aposentou. A AMD e a Intel estão produzindo chips com circuitos de apenas 65 nanômetros, espessura cerca de 1.300 vezes mais fina que um fio de cabelo. Mas a Intel afirmou que deverá começar a vender chips com circuitos de 45 nanômetros já no segundo semestre deste ano. Grose informou que a AMD não ficará muito tempo atrás da rival. "Sessenta e cinco nanômetros já é velho. O foco está em 45", disse Grose em entrevista, acrescentando que a fábrica de chips da AMD em Dresden, Alemanha, está testando chips deste tamanho. "Eles estão muito em linha com o cronograma ou melhor que isso agora", disse o executivo. "Começaremos a produzir os primeiros chips provavelmente no segundo trimestre de 2008, com produção em massa no segundo semestre." Grose informou ainda que a produção de chips AMD de 65 nanômetros vai superar os produzidos com tecnologia de 90 nanômetros no segundo trimestre. Esse ponto é importante porque marca uma melhoria geral de eficiência na produção.

Agencia Estado,

05 Fevereiro 2007 | 15h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.