Chuva de papel picado dá trabalho a equipes de limpeza

A chuva de papel picado deixada pela escola Nenê de Vila Matilde deu muito trabalho para a equipe de limpeza do sambódromo. Ao fim do desfile de cada escola, uma ala de garis da Prefeitura de São Paulo entra na avenida para limpar a pista. São cerca de 50 pessoas e três carros para varrer a avenida e tirar restos do desfile, como por exemplo peças soltas de fantasias e carros alegóricos.

CIRCE BONATELLI, Agência Estado

02 Março 2014 | 03h28

Mas a chuva de papel da Nenê foi tão intensa que a avenida continuou coberta pelos papéis de cores roxa, branca e prata durante a entrada da escola seguinte, a Águia de Ouro.

Quanto às condições climáticas, porém, até as 3h15 da madrugada deste domingo as escolas não tinham do que reclamar. Nenhuma gota de chuva havia caído sobre o Anhembi, ao contrário do que aconteceu na primeira noite de desfiles.

Mais conteúdo sobre:
carnaval 2014sambódromo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.