Chuva estraga passeio noturno na ciclofaixa

Com pingos de chuva no lugar de flocos de neve, bicicletas em vez de renas e adesivos substituindo caixas de presente, o Papai Noel desfilou no domingo (16) de madrugada na ciclofaixa da Avenida Paulista, aberta pela primeira vez em período noturno. O tempo instável, no entanto, contribuiu para que poucos ciclistas se aventurassem a percorrer o caminho e visitar o bom velhinho e as luzes natalinas da região.

CAIO DO VALLE, Agência Estado

17 Dezembro 2012 | 09h53

Embora tenha variado em intensidade, o clima chuvoso não deu trégua na abertura da faixa exclusiva, às 22h de anteontem, até ao menos as 2h de ontem - o serviço funcionou, ininterrupto, até as 16h. Na tentativa de se proteger um pouco, o auxiliar contábil Danilo Corrêa Castro, de 28 anos, pedalou carregando um guarda-chuva armado. "É desconfortável se molhar tanto", afirmou, lembrando que as poças formadas no asfalto da via são as principais vilãs. "Além de respingarem quando as rodas passam, elas podem fazer você escorregar." Algumas lâminas d?água eram grandes e ocupavam a faixa das bikes.

Mas nem tudo foi frustração. Vindo de Itaquera, na zona leste, Reginaldo Regino dos Santos, de 42 anos, não deixou que a noite úmida abalasse o seu pique. O segurança precisou pegar trem e metrô para chegar à ciclofaixa. "Decidi participar para prestigiar essa iniciativa", disse ele, que usa a pista todo domingo. Estava animado e, enquanto descansava comendo uma banana protegido sob marquise de um prédio, prometeu seguir não só pelos 2,4 km dedicados às bicicletas na Paulista, mas também ir até o Parque do Ibirapuera. Uma extensão de 19,2 km ligava a avenida ao Portão 8 do parque.

Fim da linha

Santos e outros ciclistas, porém, se surpreenderiam na primeira hora do domingo (16), quando essa interligação, que passava por avenidas como Jabaquara e Indianópolis, foi desativada pelos organizadores do evento. Os cones que separavam a ciclofaixa foram empurrados para a sarjeta. A sensação de perigo aumentou entre os poucos ciclistas que circulavam nesse trecho. Caso do coordenador de eventos Vitor Capello, de 30 anos, que passou a pedalar entre os carros. "Falaram que ia ficar a noite toda e, aí, de repente, vieram e tiraram tudo."

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), faltou luz em um trecho da ciclovia, e "por questão de segurança", foi decidido em uma reunião com a Bradesco Seguro, patrocinadora do evento, desativar o corredor até as 7h, quando seria reaberto.

Ho ho ho

De volta à Paulista, a situação era diferente. Bem sinalizada por seguradores de bandeirinhas de "pare" e com cones em toda a sua extensão, a avenida contou com passeios do Papai Noel até as 2h. A bordo de um trenó de fibra de vidro enfeitado com lâmpadas de LED (diodo emissor de luz), ele balançava um sininho e chamava a atenção não só dos ciclistas. Ocupantes de carros e pedestres também aproveitavam para acenar e gritar para o personagem.

A jornalista Kaciane Martins, de 34 anos, é ciclista frequente na avenida. "Deveriam abrir essa ciclofaixa à noite todos os dias, é muito mais seguro." Por enquanto, ela só terá mais uma oportunidade no próximo sábado (22). As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
CICLOFAIXA TRÂNSITO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.