Chuva melhora condição para safra de verão

Volume, entretanto, ainda não é suficiente para recuperar pastagens na região de Barretos, Jaboticabal e Piracicaba

Fábio Marin, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2008 | 02h40

A semana começou com forte calor. Mas na quinta-feira uma frente fria chegou ao Estado de São Paulo, deixando o tempo chuvoso em todas as regiões. A precipitação acumulada durante a semana ficou entre 20 e 50 milímetros, elevando a umidade do solo. Com isso, o armazenamento hídrico atingiu 70% da capacidade máxima de retenção, melhorando as condições para o desenvolvimento da safra de verão, que foi prejudicada pela escassez de umidade durante o mês de novembro. Em Barretos, Jaboticabal e Piracicaba, onde a umidade estava abaixo de 30% até a semana passada, houve expressiva elevação no nível de água no solo, mas ainda são necessárias novas chuvas para assegurar a recuperação das pastagens. O baixo volume de chuva nessas localidades já representa perda de produção nas lavouras de amendoim, milho e soja. Os canaviais também mostram atraso no desenvolvimento, mas há possibilidade de recuperação parcial caso a chuva ocorra em bons volumes e de modo distribuído ao longo do verão. A chuva causou pequenos atrasos na colheita da uva em Indaiatuba, Itupeva e Jundiaí, e do figo em Valinhos e Campinas. A produtividade dos pomares é alta e a qualidade é boa neste ano. No entanto, os viticultores comercializam a safra com preços semelhantes aos do ano passado, mas com custos muito maiores. Já os produtores de figo têm melhores condições por causa da redução na oferta da fruta nesta safra. LARANJA A colheita da laranja também foi prejudicada pela chuva, mas a principal preocupação dos produtores são os baixos preços. A safra deve terminar no fim de janeiro. Já nos pomares de limão taiti a colheita começou apenas nas áreas irrigadas, pois os pomares dependentes da chuva ainda têm frutas pequenas que não atendem às exigências do mercado. A colheita também prosseguiu, apesar do tempo chuvoso nos pomares pêssego de Itapeva e Avaré; da banana em Iguape e Registro; de ameixa em Mogi das Cruzes e Jarinu; da macadâmia em Santa Rita do Passa Quarto e São Sebastião da Grama; de blueberry em Campos do Jordão; da lichia em Tupã, Avaí, Tupã e Bastos, e da manga em Fernando Prestes, Cândido Rodrigues e Monte Alto. *Fábio Marin é pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária. Para mais informações sobre tempo e clima, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.