Chuva regular beneficia áreas de soja e cana

Sojicultores estão com a safra adiantada, mas excesso de umidade favorece proliferação da ferrugem asiática

Ana Maria H. de Ávila, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2010 | 03h02

Voltou a chover forte na maioria das regiões paulistas. Os maiores volumes acumulados ocorreram no leste e sudoeste do Estado. Em Piracicaba, Sorocaba, Campinas e Presidente Prudente o total acumulado no período superou 100 milímetros e as chuvas fortes, com grandes volumes concentrados em curtos intervalos de tempo, acabaram provocando a compactação e erosão do solo. Produtores que usam a técnica do plantio direto são menos afetados.

O solo está encharcado em praticamente todos os municípios. Mesmo em regiões que registraram menores volumes de chuvas, como Ilha Solteira, Jaboticabal e Taubaté, a quantidade de água disponível está acima de 75%. Estradas rurais foram danificadas na região de Piracicaba, Itu e Salto. Na região de Mogi das Cruzes, Suzano e demais municípios que compõem o Cinturão Verde paulista as hortaliças foram afetadas pela chuva e alagamentos. O consumidor já se prepara para a alta dos preços nos supermercados.

As chuvas regulares durante todo o ciclo da soja favoreceram o desenvolvimento da cultura e os sojicultores de Araçatuba e Ribeirão Preto esperam ter boa produtividade. Como a estação das chuvas se estabeleceu mais cedo, os sojicultores estão com a safra bem mais adiantada do que no mesmo período do ano passado. Por outro lado, o tempo úmido e o solo encharcado favoreceram a proliferação da ferrugem - foram três focos encontrados em Sandovalina e um em Ituverava.

As chuvas frequentes e o calor beneficiam a cultura da cana-de-açúcar. Entretanto, a ferrugem laranja, doença que surgiu inicialmente na região central do Estado, se espalhou para as principais áreas produtoras e haverá a necessidade de fazer a substituição nos canaviais por variedades de cana resistentes.

SAFRINHA

Com o excesso de água no solo, os agricultores têm dificuldade de transitar com máquinas na lavoura e tiveram de interromper o preparo do solo para as culturas de segunda safra, como o milho safrinha e o sorgo.

Prossegue a colheita da uva e do figo em Valinhos e Jundiaí; da lichia em Tupã; da manga em Monte Alto, Cândido Rodrigues e Taquaritinga; e da banana em Miracatu, Jacupiranga e Cajati.

*Ana Maria H. de Ávila é pesquisadora do Cepagri/Unicamp. Para mais informações sobre tempo e clima, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.