Chuvas impedem embarque de 600 mil toneladas de minério da Vale

O grande volume de chuva que atingiu o Brasil desde o início do ano fez com que a mineradora Vale deixasse de embarcar cerca de 600 mil toneladas de minério de ferro a partir de portos no país no período, disse nesta quinta-feira o diretor de Relações com Investidores da empresa, Roberto Castello Branco.

DENISE LUNA, REUTERS

27 de janeiro de 2011 | 21h43

Segundo ele, a empresa também deixou de embarcar na Austrália, igualmente devido às inundações do início do ano, aproximadamente 500 mil toneladas de carvão.

Castello Branco considerou pequeno o volume de minério de ferro não embarcado no período, na comparação com o volume total que a empresa pretende exportar no ano, e afirmou que o atraso será recuperado ao longo dos próximos meses, tanto no Brasil quanto na Austrália.

A Vale estima um volume de embarques de minério de ferro em 2011 de 311 milhões de toneladas.

No caso da Austrália, o atraso é mais significativo na comparação com o volume total, já que a Vale pretende produzir no país em 2011 cerca de 5 milhões de toneladas de carvão.

"No ano passado programamos ações preventivas para reduzir o impacto da chuva na produção no Brasil", informou Castello Branco.

As fortes chuvas que atingiram várias regiões no Brasil desde o início do ano provocaram centenas de mortes, destruíram estradas e instalações industriais e prejudicaram as operações portuárias em várias localidades.

Castello Branco comentou também sobre o cenário para o mercado de minério de ferro globalmente e se mostrou bastante positivo no longo prazo, afirmando que os preços da commodity deverão seguir em alta por período de 15 a 20 anos.

O otimismo leva em conta as restrições de exportação que estão ocorrendo na Índia, a continuidade do crescimento do mercado chinês e a recuperação de outros mercados.

O diretor voltou a negar que a Vale esteja interessada na aquisição da Mosaic, como já havia informado ao mercado, e reiterou que o plano da empresa é manter o foco no crescimento orgânico.

Ele disse ainda que a empresa conseguiu eliminar todos os conflitos trabalhistas que enfrentou fora do Brasil. Nesta quinta-feira, a mineradora anunciou que chegou a um acordo preliminar para encerrar uma greve que dura 17 meses.

"Vencemos e estamos produzindo a plena capacidade com custos menores do que quando a gente chegou lá", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
MINERADORAVALECHUVAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.