Ciclone atinge litoral leste da Índia e deixa pelo menos 5 mortos

O ciclone Hudhud atingiu o litoral leste da Índia neste domingo com ventos de até 195 quilômetros por hora, arrancando árvores, danificando construções e matando pelo menos cincopessoas, apesar do grande esforço para a retirada dos moradores.

REUTERS

12 de outubro de 2014 | 12h41

A cidade portuária de Visakhapatnam, que tem dois milhões de habitantes e uma importante base naval, foi bem castigada pelo ciclone. Os destroços se espalhavam pelo local.

A maioria das pessoas ouviram advertências para se refugiarem, mas cinco foram mortos por queda de árvores e alvenaria e milhares de casas foram danificadas, disseram funcionários de serviços de emergência.

O ministro-chefe de Andhra Pradesh, o estado atingido pelo Hudhud, disse que a extensão do dano só poderá ser conhecida depois que a tempestade passar.

"Nós somos incapazes de averiguar a situação. Setenta por cento da comunicação desmoronou totalmente ... esta é a maior calamidade", disse N. Chandrababa Naidu ao programa de televisão Headlines Today.

"Estamos pedindo às pessoas para não saírem de suas casas", disse Naidu, acrescentando que a avaliação dos danos iria começar na segunda-feira. "Estamos mobilizando homens e material de imediato".

O primeiro-ministro Narendra Modi prometeu "toda a assistência possível em operações de socorro e salvamento", disse seu governo central em um comunicado.

O baixo número de mortos relatados até agora seguiu-se a uma operação para evacuar mais de 150 mil pessoas a minimizar os riscos de morte relacionados ao Hudhud - similar em tamanho e poder ao ciclone Phailin que atingiu a região há exatamente um ano.

Após um período de calmaria em que o olho da tempestade passou sobre a cidade, os ventos recuperaram sua potência. Os meteorologistas alertam que Hudhud iria eclodir fortemente durante várias horas mais, antes de reduzir pela metade a velocidade do vento à noite.

(Por Jatindra Dash)

Mais conteúdo sobre:
CICLONEINDIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.