Ciclone fecha portos em Omã e aproxima-se do Irã

Esta é a mais forte tempestade a atingir a Península Arábica em 60 anos

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 05h23

O porto de Sohar, em Omã, o mais importante para a exportação de petróleo, permanece fechado pelo segundo dia consecutivo por causa do ciclone tropical Gonu, que atingiu a costa leste do país, disseram os veículos de comunicação da região. Esta é a mais forte tempestade a atingir a Península Arábica em 60 anos. Segundo as fontes, as autoridades evacuaram todas as localidades da costa leste do país, de cerca de 300 quilômetros de extensão, para evitar graves conseqüências do Gonu, que deve chegar ao sudoeste do Irã.As fontes afirmaram que, entre os evacuados, estão milhares de trabalhadores do porto e da refinaria de Sohar, enquanto outros milhares de cidadãos do leste de Omã foram para locais mais seguros em Mascate, capital do país.Especialistas omanis disseram que o ciclone, que começou a se formar há dois dias no Mar Arábico com grau cinco de intensidade, está perdendo força e avança em direção a Mascate com grau dois, acompanhado de intensas chuvas e ventos de entre 130 km/h e 170 km/h.Os técnicos, citados pela televisão omani, também prevêem que o segundo alvo do Gonu será o estreito de Ormuz, na entrada do Golfo Pérsico, de onde sai grande parte das exportações de petróleo para os mercados internacionais.Além disso, os analistas afirmam que o ciclone chegará à costa sudoeste do Irã. As autoridades do país estão tomando medidas de precaução para evitar suas conseqüências.Medidas semelhantes foram adotadas pelos Emirados Árabes Unidos e pela Arábia Saudita e, apesar de os Governos destas nações afirmarem que não esperam graves conseqüências do ciclone, especialistas advertem que pode prejudicar a movimentação das embarcações petroleiras no estreito de Ormuz.

Tudo o que sabemos sobre:
ciclonepetróeloomãirã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.