Ciclone provoca morte e desabriga pessoas no RS

Um temporal com forte chuva e rajadas de vento de até 100 quilômetros por hora provocou a morte de um motorista, deixou centenas de pessoas desabrigadas e interrompeu o abastecimento de energia para 270 mil consumidores neste sábado, na região metropolitana de Porto Alegre, algumas cidades da Serra e todo o litoral do Rio Grande do Sul. Os transtornos climáticos são conseqüência de um ciclone extratropical que se formou na costa dos Estados do Sul e, conforme as previsões dos serviços de meteorologia, vão continuar até segunda-feira.Em Santo Antônio da Patrulha a água isolou quatro bairros, obrigando os bombeiros a usarem barcos para resgatar 20 famílias desabrigadas. Nos municípios do litoral norte alguns moradores chegaram a reviver o pesadelo do furacão Catarina, ocorrido em 2004. Em Cidreira, pelo menos 20 casas tiveram seus telhados arrancados pelo vento. Em Capão da Canoa as ondas chegaram até à calçada que separa a praia da cidade.Os moradores da zona sul de Porto Alegre também sofreram com alagamentos e trânsito interrompido pela queda de árvores. Algumas famílias dos bairros Hípica, Belém Novo e Ponta Grossa tiveram de ser removidos de barco para a casa de parentes e para um salão comunitário. Na zona norte da cidade, o telhado de um hotel caiu sobre uma pista da avenida Farrapos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.