Ciclone Sandra fecha operações de minas de níquel em Nova Caledônia

Um ciclone tropical severo está se aproximando da ilha de Nova Caledônia, no Pacífico sul, com ventos sustentados de até 208 km/h, e forçou o fechamento de algumas operações de mineração de níquel no território francês, nesta segunda-feira.

Reuters

11 de março de 2013 | 07h32

Um porta-voz do governo francês disse que o ciclone lento chamado Sandra estava ganhando força gradualmente e representava uma séria ameaça à ilha Belep e ao extremo norte da ilha principal, onde fica a maior reserva mundial de níquel

A maior produtora de níquel da Nova Caledônia, Societe le Níquel (SLN), de propriedade da francesa Eramet, suspendeu a extração e processamento de níquel na localidade de Tiebaghi às 16h (horário local) nesta segunda-feira e prevê que permanecerá fechada na terça-feira, disse um porta-voz da companhia.

A atividade na localidade de Poum não foi afetada nesta segunda-feira, disse ele.

O governo francês, que colocou a região e Belep em alerta laranja, disse que deve atualizar o aviso para vermelho, o nível mais alto, no fim do dia.

O ciclone estava cerca de 400 km a noroeste de Nova Caledônia e em trajetória sudeste.

A metade sul da ilha principal, incluindo a fundição Doniambo, da SLN, com capacidade de 55.000 toneladas por ano, na capital Noumea, não deve ser atingida pelo ciclone, de acordo com o governo francês.

A Nova Caledônia fica imprensada entre o Taiti e a Austrália e abriga um quarto das reservas mundiais de níquel conhecidas. A commodity tem sido a força motriz da economia da ilha há mais de um século.

(Reportagem de Cecile Lefort)

Tudo o que sabemos sobre:
CICLONESANDRANOVACALEDONIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.