Cidade de SP terá novos relógios até fevereiro

Os velhos relógios que ocupam canteiros centrais em avenidas paulistanas vão começar a ser aposentados na semana que vem. O trabalho será feito pelo consórcio contratado pela Prefeitura de São Paulo para colocar mil equipamentos novos e modernos nas ruas da cidade. O contrato foi publicado na edição de sexta-feira do Diário Oficial da cidade e os novos relógios já devem começar a ser instalados no início de 2013.

AE, Agência Estado

10 de novembro de 2012 | 10h53

O consórcio é liderado pelo grupo francês JCDecaux, considerado um dos mais inovadores do mundo na gestão e design de painéis em equipamentos públicos e responsável por relógios e abrigos em cidades como Berlim, Tóquio e Nova York. Eles pagarão R$ 389 milhões à Prefeitura para instalar e fazer a manutenção dos relógios pelo período de 25 anos, ganhando em troca os lucros obtidos com a exploração da publicidade nos equipamentos.

Atualmente, São Paulo tem pouco mais de 200 relógios de rua, dos quais cerca de 90 não estão mais funcionando. "No feriado do dia 15 de novembro, já devemos ter começado a retirar os que estão quebrados", afirmou Ana Célia Biondi, representante do consórcio. Segundo ela, o trabalho vai começar com os cerca de 15 que estão em estado crítico, com risco de cair e de machucar algum pedestre.

Entram nesse grupo, por exemplo, um na Avenida Brigadeiro Faria Lima, na zona sul, que está quebrado e caído na altura da Rua Amauri, e outro na Avenida Brasil, que está com a base bamba. "São equipamentos que ficaram anos sem manutenção", explicou Ana.

Segundo ela, a ordem para a fabricação dos equipamentos já foi expedida e equipes estão nas ruas consertando e instalando o cabeamento necessário para que os novos relógios comecem a funcionar ainda em janeiro ou fevereiro do ano que vem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SPrelógiosPrefeitura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.