Cidades fazem pente fino em boates por todo o País

Após a tragédia de Santa Maria, prefeitos das principais capitais do País intensificaram a fiscalização em casas noturnas. Baladas já começam a baixar as portas por causa da ofensiva. Até 18h de terça-feira 27 casas de shows haviam sido interditas pela prefeitura de Manaus, entre elas a boate Tropical Club, no complexo do Hotel Tropical.

AE, Agência Estado

30 de janeiro de 2013 | 07h25

Em Salvador, o prefeito Antonio Carlos Magalhães Neto determinou a inspeção em todos os estabelecimentos noturnos e camarotes de carnaval. Anteontem, casas foram notificadas e uma borracharia foi proibida de funcionar como boate. O local, ao anoitecer, virava uma balada.

Em Fortaleza, todas as boates e casas de shows passarão por vistoria da prefeitura e dos bombeiros. Na terça-feira a fiscalização começou pelas boates da Praia de Iracema, as mais frequentadas por jovens e turistas. Nenhuma foi fechada. No Recife, a prefeitura criou dois grupos de trabalho. O primeiro, de atuação imediata, se concentrará na fiscalização da estrutura do carnaval. O segundo grupo vai estudar a lei e levar propostas de melhoria ao prefeito até o fim de fevereiro.

Em Minas, os deputados Alencar da Silveira Júnior (PDT) e Thiago Ulisses (PV) apresentarão na próxima semana projeto para proibir uso de comandas. Em Santa Maria, quando o fogo começou, os seguranças impediram que as pessoas saíssem sem pagar as comandas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.