Cientista acha placa tectônica em Marte

Descoberta muda concepção sobre o planeta, agora visto como ainda mais semelhante à Terra

LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2012 | 03h08

Um pesquisador da Universidade da Califórnia em Los Angeles (Ucla) descobriu que Marte, assim como a Terra, possui placas tectônicas, fenômeno geológico que envolve o movimento do solo sob a superfície. Ou seja, podem ocorrer "martemotos" no planeta vermelho. Até o momento, pensava-se que apenas a Terra tinha essa característica em todo o sistema solar.

"As placas tectônicas de Marte estão em um estágio primitivo", afirmou ao site da Ucla o único autor do estudo, An Yin, geólogo que ensina ciências da Terra e do espaço. "Isso nos dá um vislumbre de como a Terra teria sido em seus primórdios e pode nos ajudar a entender como as placas tectônicas surgiram no nosso planeta." A pesquisa é a matéria de capa da edição deste mês da revista Lithosphere.

Yin fez a descoberta enquanto analisava cerca de uma centena de imagens de satélite captadas por instrumentos de duas sondas da agência espacial dos Estados Unidos (Nasa) que estudam Marte, a Odyssey e a Mars Reconnaissance Orbiter. Das cerca de cem imagens, em torno de uma dúzia revelava a existência de placas tectônicas.

"Muitas dessas imagens mostravam grandes semelhanças com falhas que vi quando pesquisei os Himalaias", disse o geólogo, que também observou características geomorfológicas parecidas com as da Califórnia.

Por exemplo, o cientista notou que um cânion marciano tinha uma parede lateral plana e suave, o que apenas poderia ser obra de uma falha geológica. Outro indício é a presença de penhascos íngremes, comparáveis aos do Vale da Morte, no Deserto de Mojave, na Califórnia. "Não se vê essas características em nenhum outro planeta do sistema solar, apenas na Terra e em Marte", afirmou Yin.

Cânions. A superfície marciana contém os maiores e mais profundos cânions do sistema solar, chamados Valles Marineris - cerca de nove vezes maiores que o Grand Canyon dos Estados Unidos. A descoberta de Yin pode ser a explicação para sua formação. "A princípio eu não esperava achar placas tectônicas, mas, quanto mais eu pesquisava, mais eu percebia que Marte é muito mais diferente do que imaginávamos", conta o geólogo.

"A Terra tem sua 'casca de ovo' muito quebrada, portanto há muitas placas na sua superfície. A de Marte é pouco quebrada, mas pode estar a caminho de ficar parecida com a da Terra. Só que lá o ritmo é muito mais lento, porque é um planeta bem menor e tem menos energia termal", conclui o especialista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.