Cientistas alertam para acúmulo de lixo no espaço

Mais de 9.000 pedaços de destroços espaciais orbitam a Terra, um perigo que só tende a piorar nos próximos anos, de acordo com cientistas da Nasa. E não existe um método econômico e funcional de limpar a bagunça. Os pedaços de lixo espacial de 10 centímetros ou mais totalizam 5.000 toneladas, de acordo com relatório que será publicado na edição desta sexta-feira da revista Science.Mesmo se todos os lançamentos ao espaço fossem interrompidos agora - e não serão - a coleção de destroços continuaria a aumentar, na medida em que objetos em órbita colidem uns com os outros e se quebram em fragmentos ainda menores, disse um dos autores do trabalho, J.C. Liou, em entrevista à Associated Press."Mas não queremos dizer que o céu esteja caindo", disse ele. "Só que é preciso entender os riscos".A área mais lotada de fragmentos encontra-se entre 885 km e 1005 km de altitude, disse Liou, explicando que isso representa um risco menor para os vôos espaciais tripulados. A Estação Espacial Internacional orbita a 402 km, e o alcance do ônibus espacial não supera os 603 km. Mas o depósito de lixo orbital poderá representar um perigo para vôos comerciais e científicos.Boa parte dos destroços são produto da explosão de satélites, principalmente estágios superiores deixados em órbita contendo combustível ou líquidos sob pressão.

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2006 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.