Cientistas atribuem sumiço de lago chileno a efeito estufa

Especialistas crêem que a água escapou por uma brecha na geleira que o continha

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h14

Pesquisadores culparam o aquecimento global pelo desaparecimento de um lago glacial em uma região remota do sul do Chile. A massa de água sumiu em apenas dois meses, deixando uma cratera para trás. O desaparecimento do lago no Parque Nacional Bernardo O´Higgins foi descoberto por guardas responsáveis pela reserva em maio. Eles ficaram atônitos ao ver uma cratera de 40 metros de profundidade no lugar antes ocupado pelas águas. Depois de sobrevoar o lago na segunda-feira, 2, cientistas disseram ter sido capazes de chegar a uma conclusão, preliminar, que aponta para o aquecimento global como principal culpado pelo sumiço das águas. Eles sugerem que o derretimento de geleiras próximas elevou o nível do lago a um ponto no qual a pressão da água derrubou parte de uma geleira que funcionava como dique. A água no interior da cratera escapou pela brecha, rumo ao oceano, disse o glaciologista Andres Rivera. Rivera, acompanhando por outro especialista, sobrevoou o lago e fez fotos. "De um lado da geleira Bernardo dá para ver um enorme buraco ou brecha, e acreditamos que a água saiu por ali", diz nota emitida pela Marinha, que cita Rivera. "Isso confirma que as geleiras da região estão em retração, e afinando". Ele disse que o fundo da cratera já acumula um pouco de água, provavelmente de gelo derretido.

Mais conteúdo sobre:
chile andes aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.