Cientistas criam células imunológicas usando células-tronco

Pesquisadores americanos demonstraramque as células-tronco embrionárias do ser humano podem sermanipuladas e se transformar em células T, o que seria o primeiropasso para o desenvolvimento de um tratamento contra a aids. Os cientistas da Universidade da Califórnia e do Instituto deCélulas-tronco afirmam em um estudo, publicado na revistaProceedings of the National Academy of Sciences, que é possíveltransformar células-tronco humanas em células T, que constituem aprimeira linha de defesa contra o vírus HIV.Segundo Zoran Galic, biólogo que dirigiu o estudo, esta é aprimeira ocasião em que foi possível criar células T a partir dascélulas-tronco embrionárias."Isto nos diz que é possível utilizar as células-tronco humanaspara tratar doenças do sangue. Esta poderia ser uma arma muitoimportante na luta contra a aids", acrescentou.Em seu estudo, os cientistas cultivaram células-troncoembrionárias humanas, incubadas em células de apoio procedentes damedula de um rato, que foram transformadas em células produtoras desangue.Estas últimas células foram injetadas na glândula timo humana quetinha sido implantada em um rato, e se transformaram depois emcélulas T maduras.O timo é a glândula que produz as células T nos seres humanos.Estes resultados indicam que é possível decifrar os sinais quecontrolam o desenvolvimento das células-tronco embrionárias e suaconversão em células T, segundo Jerome Zack, diretor-adjunto doInstituto da Aids da Universidade da Califórnia. "Dessa forma, em última instância, podemos ´reflorestar´ o sistemaimunológico em pacientes que necessitam das células T", assegurou.Isto levaria a tratamentos de outras doenças vinculadas àscélulas T, entre elas a de imunodeficiência geral grave (conhecidacomo doença do menino bolha), na qual os pacientes não possuem umsistema imunológico e devem viver em um ambiente antisséptico elivre de germes.

Agencia Estado,

03 de julho de 2006 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.