Cientistas criam válvula cardíaca a partir de células-tronco

Pela primeira vez, pesquisadores cultivaram válvulas cardíacas humanas a partir de células-tronco encontradas no líquido amniótico, o fluido que envolve os bebês no útero - uma abordagem nova, que poderá ser usada para reparar corações com problemas, no futuro.A idéia é criar novas válvulas em laboratório ainda durante a gestação, e tê-las à mão para o implante quando o bebê nascer. O experimento, realizado na Suíça, segue-se a sucessos recentes no cultivo de bexigas e vasos sanguíneos, e sugere que, um dia, as pessoas poderão cultivar peças sobressalentes para o coração. "Isto poderá abrir um conceito terapêutico novo para o tratamento de problemas cardíacos congênitos", disse o médico Simon Hoerstrup, da Universidade de Zurique, que encabeçou o experimento, divulgado na quarta-feira, durante uma conferência da Associação Americana de Cardiologia. No mesmo evento, pesquisadores japoneses disseram ter cultivado válvulas cardíacas em coelhos, usando tecidos dos próprios animais. É a primeira vez que válvulas sobressalentes são obtidas desse modo, disse o principal autor do trabalho, Kyoko Hayashida."Não duvido" que um dia as técnicas venham a ser usadas em humanos, disse o médico Ziyad Hijazi, da Universidade de Chicago.Um por cento de todos os recém-nascidos a cada ano, ou cerca de um milhão de crianças em todo o mundo, tem problemas cardíacos. Defeitos nas válvulas cardíacas podem ser detectados por ultra-som por volta da vigésima semana de gestação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.