Cientistas encontram bons alvos para nova vacina contra a aids

Estudo investigou o sangue de pessoas que controlam a infecção sem necessidade de medicamentos

Alexandre Gonçalves, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2011 | 00h00

Cientistas estudaram o sangue de quatro pessoas capazes de controlar, sem o uso de medicamentos, a infecção causada pelo HIV. Os pesquisadores descobriram 17 anticorpos amplamente neutralizantes: defesas produzidas pelo próprio organismo que combatem com eficácia várias cepas do vírus. O estudo, que mereceu publicação na prestigiosa revista Nature, poderá inspirar vacinas contra a doença.

Quando comparados aos anticorpos já conhecidos, os novos apresentaram eficácia de 10 a 100 vezes maior. O esforço foi coordenado pela Iniciativa Internacional para a Vacina da Aids (Iavi, na sigla em inglês).

"A maioria das vacinas virais estimula a produção de anticorpos que neutralizam o patógeno", afirma Dennis Burton, imunologista do Instituto de Pesquisa The Scripps, na Califórnia. "Como o HIV possui uma enorme variabilidade, uma vacina efetiva precisa estimular a produção de anticorpos amplamente neutralizantes (ou seja, não específicos para variantes do vírus)."

O próximo passo é descobrir quais antígenos - proteínas presentes na cápsula viral -, ao ser injetados no organismo, produzem os anticorpos amplamente neutralizantes. Tais moléculas serviriam como principal ingrediente de uma futura vacina.

Há cerca de dois anos, uma vacina testada na Tailândia e financiada pelo governo americano apontou, pela primeira vez, uma redução no risco de contrair aids. A eficácia, no entanto, ainda foi muito baixa e a proteção diminuía depois de um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.