Cientistas encontram crânio de ancestral humano na Etiópia

Cientistas no nordeste da Etiópia divulgaram no sábado a descoberta do crânio de um pequeno ancestral humano que poderia ser a peça faltante entre o extinto Homo erectus e o homem moderno. O crânio hominídeo - encontrado em dois pedaços e que acredita-se ter entre 250 mil e 500 mil anos de idade - "vem de um período bastante significativo e se assemelha muito ao humano anatomicamente moderno", disse Sileshi Semaw, diretor do Projeto de Pesquisa Paleoantropológica Gona na Etiópia.Os arqueólogos encontraram o crânio antigo há cinco semanas em Gawis, na região de Afar, no nordeste da Etiópia, de acordo com Sileshi. Muitas ferramentas de pedras e animais fossilizados, incluindo dois tipos de porcos, zebras, elefantes, antílopes, gatos e roedores também foram encontrados no sítio.Sileshi, um paleoantropólogo etiópico que trabalha na Universidade de Indiana, disse que a maioria dos fósseis de hominídeos são encontrados em pedaços, mas o crânio quase completo - uma descoberta rara - proporcionou uma série de informações."O crânio de Gawis nos fornece a oportunidade de olhar para o rosto de um dos nossos ancestrais", divulgou o projeto arqueológico.Estima-se que o Homo erectus, que muitos acreditam ter sido um ancestral do Homo sapiens moderno, deve ter desaparecido entre cem mil e 200 mil anos atrás.O crânio data de uma época da qual se sabe muito pouco - a transição do Homo erectus africano para os humanos modernos. O arquivo de fósseis da África para esse período é esparso e maioria dos espécimes foi registrado com pobreza, disseram os arqueólogos do projeto.A face e o crânio do fóssil são claramente diferentes daqueles dos humanos modernos, mas trazem evidências inconfundíveis de que pertencem a um ancestral humano, disse Sileshi.O Homo erectus deixou a África há cerca de dois milhões de anos e se espalhou pela Ásia. Sua primeira aparição foi na África entre 1 milhão e 2 milhões de anos atrás.Entre 1 milhão e 200 mil anos atrás, uma ou mais espécies existiram na África e deram origem ao membros mais atuais da nossa própria espécie, o Homo sapiens - entre 150 mil e 200 mil anos atrás.

Agencia Estado,

27 de março de 2006 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.