Cientistas identificam 'roedor beberrão' na Malásia

Musaranho-arborícola é capaz de tomar altas doses de álcool sem ficar embriagado

Da BBC Brasil, BBC

29 de julho de 2008 | 06h54

Cientistas alemães identificaram uma espécie de musaranho (mamíferos roedores peçonhentos) altamente resistente ao álcool. Segundo os especialistas, da Universidade de Bayreuth, o musaranho-arborícola é capaz de ingerir uma quantidade de álcool equivalente a nove taças de vinho em uma só noite sem ficar embriagado. Os roedores, que têm um rabo parecido com uma pena, pesam apenas 47 gramas e vivem nas florestas tropicais do oeste da Malásia, se alimentam no néctar da flor de uma espécie de palmeira encontrada na região, fermentado com teor alcoólico de 3,8%. Ao acompanhar de perto os hábitos noturnos dos animais, os especialistas descobriram que após beber uma quantidade de álcool equivalente à contida em nove taças de vinho, eles não apresentaram qualquer sinal de embriaguez. Os cientistas qualificaram os animais como "consumidores crônicos de álcool" e acreditam que sua habilidade em não sofrer dos efeitos da bebida se deve a um mecanismo biológico capaz de quebrar as moléculas e se desfazer rapidamente do álcool. "Musaranhos-arborícolas tomam doses de álcool capazes de intoxicar humanos", disseram os cientistas na publicação científica Proceedings of the National Academy of Science. "O consumo de álcool por esses animais atinge níveis que seriam perigosos para outros mamíferos". Ao analisar os musaranhos-arborícolas, os especialistas esperam entender melhor os hábitos humanos, já que esses animais são considerados a espécie viva que mais se assemelha a um ancestral dos primatas que teria vivido a há 55 milhões de anos. "Por serem semelhantes a um ancestral dos primatas, esses animais podem ajudar a elucidar uso e abuso de álcool pelos humanos", disseram os especialistas.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
pesquisaroedorálcool

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.