Cientistas propõem sepultar CO2 debaixo do oceano

A solução para o gás carbônico que polui a atmosfera pode estar sob a superfície do oceano, dizem cientistas da Universidade Harvard. Eles descobriram que os sedimentos do oceano profundo podem oferecer um reservatório permanente e virtualmente inesgotável para o gás que vem impulsionando a mudança climática global nas últimas décadas, e estimam que apenas os sedimentos em águas territoriais americanas poderiam acumular as emissões do país por milhares de anos.Os pesquisadores Kurt Zenz House e Daniel P. Schrag, juntamente com colegas, detalham as vantagens que vêem em sepultar o carbono no fundo do mar na edição desta semana do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.De acordo com a proposta, o carbono deveria ser injetado em leitos de sedimentos com espessura de centenas de metros. A combinação de baixa temperatura com a pressão imensa da água a 3.000 metros de profundidade transformaria o dióxido de carbono, que em condições normais é um gás, em um líquido mais denso que a água do mar, o que impediria vazamentos em direção à superfície.A injeção do carbono nos sedimentos - em vez de simplesmente liberá-lo na água - aprisiona o gás e reduz o dano para a vida marinha. A temperaturas baixas e pressões suficientemente altas debaixo do oceano, o gás carbônico forma cristais sólidos de hidrato, o que aumentaria ainda mais a estabilidade do sistema.

Agencia Estado,

09 de agosto de 2006 | 16h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.