Cientistas que cometerem fraudes terão nomes divulgados na China

A China implantará um "sistema de avaliação da credibilidade" para reduzir as fraudes no meio acadêmico, que têm se tornado cada vez mais freqüentes, e divulgará os nomes dos cientistas impostores, informou nesta quarta-feira a agência Xinhua."A China registrará e avaliará a credibilidade dos organismos de pesquisa que solicitam fundos públicos. Os cientistas e organizações que perderem a credibilidade serão advertidos e seus nomes, publicados", disse o ministro de Ciência e Tecnologia chinês, Xu Guanhua.As avaliações serão "autoritárias e estritas" e registrarão todos "os erros e violações das normas" cometidos pelos acadêmicos, ressaltou. "O número de fraudes científicas na China ainda é pequeno, mas seu dano ao progresso científico do país não deve ser subestimado", afirmou Xu.O ministro também anunciou que sua pasta investirá US$ 8,95 bilhões em ciência e tecnologia este ano, 19,2% a mais que em 2005, por isso é "fundamental" que estes recursos não caiam nas mãos de impostores.A decisão foi tomada depois de várias fraudes descobertas nos últimos meses, que criaram uma sombra de dúvida sobre o trabalho da comunidade científica chinesa. O escândalo envolvendo a pesquisa sobre células-tronco do cientista sul-coreano Hwang Woo-suk também influenciou na adoção da medida.O escândalo mais recente, divulgado em maio, foi sobre o mau uso de US$ 13 milhões de fundos públicos cedidos à empresa privada Arca Technology Corp. para a criação de processadores de informática.Dias antes, em outro caso parecido, Chen Jin, decano da Universidade de Jiaotong, uma das mais prestigiadas de Xangai, foi expulso por falsificar sua pesquisa sobre chips para computador."A ausência de mecanismos na China para frear as más práticas científicas representa uma situação confusa: não há punições coerentes para os culpados nem se legitima a proteção dos inocentes", destacou um grupo de acadêmicos chineses em carta enviada ao Ministério após a divulgação dos casos de fraude.

Agencia Estado,

05 de julho de 2006 | 12h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.