Cientistas registram a formação da memória em ratos

Quando são administradas drogas para bloquear as mudanças no cérebro, os ratos não conseguem se lembrar

Efe,

25 Julho 2007 | 20h04

Cientistas americanos anunciaram ter captado, pela primeira vez, imagens das mudanças que são produzidas nas conexões cerebrais dos ratos durante o processo de aprendizagem.   Em um relatório publicado pela revista Journal of Neuroscience, os pesquisadores da Universidade da Califórnia disseram que, com sua nova técnica, conseguiram tornar realidade um velho sonho dos neurologistas.   "Esta é a primeira vez que alguém vê o substrato físico, a cara de uma memória recém adquirida", declarou Gary Lynch, professor de psiquiatria e comportamento humano da Universidade da Califórnia.   "Transpusemos uma barreira que já foi considerada insuperável", acrescentou.   O relatório assinala que o estudo mostrou as conexões sinápticas que são produzidas no cérebro dos ratos e que mudam de forma quando os roedores aprendem a conhecer um ambiente novo e complexo.   Quando são administradas drogas aos animais a fim de bloquear as mudanças, os ratos não conseguem se lembrar da informação, o que confirma a importância crucial que tem a mudança, na produção de uma memória estável.   Segundo os pesquisadores, seu estudo abre a porta para tornar realidade um dos grandes objetivos da ciência: determinar a distribuição da memória nas regiões do cérebro.

Mais conteúdo sobre:
cérebro neurologia memória mente

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.