Cientistas "silenciam" gene crucial no metabolismo do colesterol

Uma simples injeção de um novo fármaco pode reduzir em dois terços os níveis de colesterol e como conseqüência o risco de doenças cardiovasculares, segundo um estudo publicado pela revista Nature.Cientistas da companhia de tecnologia Alnylam, de Cambridge, Massachusetts, nos EUA, utilizaram moléculas sintéticas de ácido ribonucléico para "silenciar" o gene da apolipoproteína B (apoB), que desempenha um papel crucial no metabolismo do colesterol.É a primeira vez que os cientistas demonstraram que é possível reduzir os níveis de colesterol nos primatas com uma versão injetável de um fármacos baseado na interferência do RNA.Este tratamento é só um de muitos que estão sendo desenvolvidos ultimamente, baseados nesse tipo de interferência, que, segundo os analistas, têm um grande potencial para o tratamento de diversas doenças, desde o câncer e os transtornos genéticos até as infecções virais.O estudo, cujos resultados a Nature publica em sua edição online, indicam que a interferência a base do ácido ribonucléico reduziu em 75% o colesterol de baixa densidade, o mais daninho.O efeito foi notado em um prazo de 24 horas nos símios tratados e durou pelo menos onze dias depois de administrada a primeira injeção, segundo John Maraganore, diretor-executivo da Alnylam.

Agencia Estado,

27 de março de 2006 | 20h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.