Cientistas temem uso de drogas que 'turbinam' o cérebro

Remédios para tratar demência seriam usados por pessoas saudáveis.

Da BBC Brasil, BBC

22 de maio de 2008 | 09h10

Um painel de cientistas alerta nesta quinta-feira o governo britânico para o risco do aumento do uso de drogas para melhorar a capacidade do cérebro, à medida que elas se tornem mais comuns no futuro.Os remédios que aumentam o poder cognitivo, criados para tratar doenças como o Mal de Alzheimer, têm o potencial de melhorar atividades como memória, atenção ou velocidade de pensamento em pessoas saudáveis, afirma o relatório da Academia Médica de Ciências sobre cérebro, vício e drogas. Segundo o principal autor do relatório, Sir Gabriel Horn, da Universidade de Cambridge, "os avanços recentes e contínuos de nosso conhecimento sobre como o cérebro funciona vão levar a um aumento no número de drogas psicoativas". "Essas drogas poderão ser usadas como remédios para tratar doenças mentais como depressão, desordem bipolar ou vício em drogas, ou para melhorar a performance do cérebro".Os cientistas temem, no entanto, que os medicamentos sejam usados por pessoas saudáveis para melhorar sua capacidade física.A academia pede ao governo e órgãos reguladores que monitorem de perto o uso desses remédios por pessoas saudáveis, como estudantes fazendo exames ou funcionários que queiram melhorar seu desempenho no trabalho."Nós vemos semelhanças no uso futuro dos remédios que aumentam o poder cognitivo com o atual uso de drogas que melhoram a performance física no esporte"."É provável que o uso desses remédios propicie uma análise sobre os impactos social e econômico, permitindo ao governo considerar regulações 'localizadas' sobre o uso nas escolas, universidades e locais de trabalho", recomenda o relatório. Os remédios hoje existentes não melhoram muito a capacidade cognitiva de pacientes com Alzheimer e há poucas evidências sobre seu efeito em pessoas saudáveis, "mas a quantidade de remédios disponíveis na Internet já encoraja os curiosos e esperançosos a experimentá-los", afirma o documento. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdecérebrodrogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.