Helvio Romero/Estadão 
Helvio Romero/Estadão 

Cinco curiosidades sobre o bairro do Morumbi

Uma das primeiras residências do bairro foi a Casa de Vidro, projetada por Lina Bo Bardi, arquiteta que projetou o Masp

O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2014 | 14h04

1. Sede do governo foi projetada para ser universidade

A residência oficial e sede do governo do Estado de São Paulo foi planejada, originalmente, para abrigar a Universidade "Fundação Conde Francisco Matarazzo". Problemas financeiros interromperam a obra, iniciada em 1955. É apenas em 1964 que a construção se torna o Palácio dos Bandeirantess, após uma longa negociação do poder público. 

2. Bairro abriga rede hospitalar de referência 

O Morumbi abriga uma ampla rede hospitalar, com destaque para o Hospital Albert Einstein, construído pela comunidade judaica em 1955. A instituição é a única a ser reconhecida pela Joint Commission International, uma das principais certificadoras de serviços de saúde no mundo.

3. Origem do nome não tem consenso

Embora não exista consenso entre os especialistas para o significado da palavra Morumbi, duas hipóteses são consideradas mais fortemente, com predomínio da primeira. De acordo com um grupo de pesquisadores, a palavra teria origem tupi-guarani e significaria "morro ou colina verde".  Para outra corrente Morumbi quer dizer “rio de peixes grandes”.

  4. Paraisópolis lotaria o Estádio do Morumbi

Segundo o Censo do IBGE de 2010, os cerca de 55mil moradores da segunda maior favela de São Paulo – a de Paraisópolis, localizada no Morumbi – lotariam o Estádio Cícero Pompeu de Toledo.

5. Arquiteta famosa construiu a primeira casa

Uma das primeiras residências do bairro foi a Casa de Vidro, projetada por Lina Bo Bardi no início dos anos 1950, um marco da arquitetura moderna paulistana. Hoje abria o instituto que leva o seu nome e o do marido Pietro Maria Bardi. As obras mais conhecida de Lina BO são a sede do Masp (Museu de Arte de São Paulo) e o prédio do Sesc Pompeia. 

 

Mais conteúdo sobre:
bairrossp morumbi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.