Cinco favelas ao redor do Cristo Redentor ganham UPP

Comunidades, com cerca de 4,5 mil moradores, não estão entre as consideradas mais perigosas no Rio

MARCELO GOMES, Agência Estado

03 de junho de 2013 | 17h48

Às vésperas da Copa das Confederações e da Jornada Mundial da Juventude, foi inaugurada nesta segunda-feira a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Cerro-Corá, na zona sul do Rio, a 33ª da cidade. A nova unidade vai atender cinco pequenas favelas localizadas aos pés do Cristo Redentor, principal cartão-postal do Rio: Cerro-Corá, Guararapes, Vila Cândido, Coroado e Julio Otoni. Apesar da atuação de traficantes, as comunidades, com cerca de 4,5 mil moradores, não estavam entre as consideradas mais perigosas da capital. O governo do Estado nega que a ocupação dessas favelas, ocorrida na madrugada de 29 de abril, tenha sido motivada pela possível visita que o papa Francisco faria ao Cristo Redentor - que acabou não sendo confirmada. Até então, era dado como certo que a próxima região a ser ocupada pelas forças de segurança seria o Complexo da Maré, na zona norte, rota obrigatória para quem chega à cidade pelo Aeroporto Internacional Tom Jobim e segue em direção ao centro ou à zona sul. "Estamos devolvendo essa comunidade à paz e ao Rio. Uma das sete maravilhas do mundo moderno tinha comunidades em seu entorno que ainda não estavam pacificadas, e agora passam a ter paz e deixam de ser refúgio de marginais que cometem crimes no asfalto e se escondiam ali. A UPP garante paz para os moradores das comunidades e para a cidade", disse o governador Sérgio Cabral (PMDB). A nova UPP será comandada pelo capitão Jeimison Gonçalves, de 31 anos. Ele está na Polícia Militar há 8 anos e iniciou sua carreira no 25º Batalhão (Cabo Frio) e passou pelo 31º Batalhão (Recreio). Foi subcomandante e comandante da UPP Cidade de Deus (Caratê), onde esteve por dois anos e meio. O oficial é formado em Direito pela Universidade Veiga de Almeida e possui curso de especialização em patrulhamento de área de alto risco. As cinco favelas foram ocupadas na madrugada de 29 de abril por cerca de 420 policiais militares liderados pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope). Com isso, foi fechado o chamado cinturão de segurança da zona sul. As outras quatro favelas da região que ainda não têm UPPs já estão ocupadas permanentemente por forças de segurança. O Morro Santo Amaro, no Catete, está sob controle da Força Nacional de Segurança Pública desde o ano passado, quando foi implantado no local um núcleo do projeto "Crack, é possível vencer".  Na Favela Tavares Bastos, no mesmo bairro, fica a sede do Bope. A comunidade é bem próxima ao Morro do Pereirão, em Laranjeiras, que também é usado para treinamento da tropa de elite. E o Morro Azul, no Flamengo, possui uma companhia destacada da PM.

Tudo o que sabemos sobre:
UPPCERRO-CORÁRIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.