Cinco hackers são suspeitos de divulgar fotos de atriz

A Polícia Civil do Rio aguarda a conclusão da perícia nos cinco computadores apreendidos semana passada antes de indiciar os cinco hackers suspeitos de roubar e divulgar na internet fotos da atriz Carolina Dieckmann nua. Os cinco também prestarão depoimento, antes da conclusão do inquérito aberto pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). As oitivas serão realizadas por carta precatória, já que nenhum dos identificados reside no Estado do Rio.

MARCELO GOMES, Agência Estado

14 Maio 2012 | 19h52

A polícia ainda não pediu a prisão dos suspeitos à Justiça. Os hackers poderão ser indiciados pelos crimes de furto, extorsão e difamação. Se condenados, a pena pode chegar a 15 anos de prisão. Advogado de Carolina, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que os suspeitos também poderão ser enquadrados no crime de formação de quadrilha. Kakay esteve nesta segunda-feira na DRCI para acompanhar o andamento das investigações. "Entendo que a internet não pode continuar sem lei no Brasil. É preciso uma legislação específica para punir este tipo de crime".

De acordo com o "RJ TV", da TV Globo, Leonam Santos, de 20 anos, invadiu o e-mail de Carolina após enviar uma mensagem para ela se passando por funcionário do provedor de internet. A mensagem continha um formulário, que foi preenchido pela atriz com seus dados pessoais e senha do e-mail. A partir daí, Leonam, que mora em Córrego Dantas, Minas Gerais, teria pego 60 fotos que estava na pasta de mensagens enviadas.

As fotos foram enviadas a Diego Fernando Cruz, de 25 anos, morador de Macatuba, interior de São Paulo. Ele teria, então, mandado 36 fotos para um site pornográfico. A página na internet pertenceria a Pedro Henrique Mathias. O suspeito de tentar extorquir R$ 10 mil de Carolina para não divulgar as fotos seria um menor, morador de Bauru (SP). Os policiais da DRCI investigam ainda a participação de um quinto hacker, que reside em Goiânia.

Mais conteúdo sobre:
Carolina Dieckmann fotos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.