Cinco PMs são mortos a tiros no Rio durante fim de semana

Vítimas não estavam trabalhando e cada um era de uma unidade; casos são investigados separadamente

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

20 de abril de 2008 | 16h18

Cinco policiais militares foram mortos a tiros no Rio em diferentes circunstâncias na sexta-feira, 18, e no sábado, 19. Os casos estão sendo investigados separadamente pelas delegacias onde foram registrados. As vítimas não estavam trabalhando e cada um era de uma unidade. Quatro deles estavam em seus carros quando foram atacados.  Veja também:Confronto deixa 6 supostos criminosos e dois PMs mortos no Rio  O terceiro-sargento Marcos Patríllo Mercês, lotado no 5º Batalhão da Polícia Militar (BPM) morreu na frente da filha, de 14 anos, a caminho do hospital, depois de ter sido atingido ao reagir a um assalto ao ônibus em que estava.  O assalto, ocorrido em um trecho no município de São João do Meriti, na baixada fluminense, no sábado à noite, também deixou outras duas pessoas baleadas: o passageiro Ricardo Gonçalves dos Santos e sua filha, de 11 anos, que foram internados no Hospital Geral da Posse, em Nova Iguaçu. Os dois bandidos fugiram.  Também no sábado à noite, em uma estrada, em Campo Grande, na zona oeste, o cabo João Luiz Souza Pereira, do 18º BPM, foi atingido por seis tiros vindos de um automóvel Meriva prata que emparelhou com o Gol verde do policial. O soldado Marco de Oliveira Mendonça, do 16º BPM, foi encontrado com um tiro no peito dentro de seu carro, um Astra prata, em Bangu, também na zona oeste, no sábado de madrugada.  O cabo PM Paulo José Craveiro dos Santos, que trabalhava no prédio do Departamento de Trânsito (Detran), foi alvejado no peito quando estava ao volante de um Palio branco, em Olaria, também na zona oeste, na sexta-feira à noite.  Na madrugada de sexta-feira, o cabo do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Kléber do Amparo, foi morto em seu Astra preto, em Niterói, na região metropolitana.

Tudo o que sabemos sobre:
PMRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.